POESIA DE

ILONA BASTOS

Poemas - Biografia - Hai-kai - Contacto - Poemas - Biografia - Hai-kai - Contacto

POEMAS

.

OS BALANÇOS DO VENDAVAL

Ilona Bastos.

.A OBRA DE WATERHOUSE

John William Waterhouse, Boreas, 1903, Oil on canvas, Private Collection

.

Desfazem-se as árvores

No vendaval.

Folhas, galhos e ramos

Rebolam pela rua

Em abandono.

.

Trémulas, as folhas

Vibram desgovernadas,

E à nova rajada se debatem,

Agitam e voam.

.

As flores tilintam

As corolas coloridas,

Despenteadas, desfolhadas,

Desprotegidas.

.

Os humanos vultos inclinam-se,

Às roupas e ao corpo abraçados,

Cabelos em labareda

Contra o vento.

.

E avança, plúmbeo, sobre a terra

O imenso manto das nuvens.

.

Ah! As minhas flores!

As que plantei com tanta devoção!

Aguentarão os balanços do vendaval?

..

 Lisboa, 8 de Outubro de 2004

.

.Próximo Poema

.

Sugestão de visita: Poesias de Maria João Costa

 

Home. I ....Dados Biográficos.... l ....Poemas... l ....Hai-kai.... l ....Contacto.... l .... Topo

© 2004 - Ilona Bastos - Todos os direitos reservados

Pintura de Henri Lebasque

Som de fundo: Chopin, Opus 10_e12

Mais recente actualização: 3 de Junho de 2007